segunda-feira, 2 de junho de 2008

Quando estamos sem rumo

Há momentos na vida em que as coisas parecem sem sentido. Muitas vezes nos sentimos perdidos, sem saber que rumo tomar. Uma desilusão amorosa, a perda do emprego, os filhos que casam deixando o lar vazio, a famosa síndrome do ninho vazio, tão comum nos casais acima dos sessenta anos.

Independente da idade ou da fase da vida, todos passamos por estes momentos de perda de rumo ou do sentido da vida. Em vez de deixar o desânimo ou o desespero tomarem conta de nós, é hora de refletir um pouco sobre o que podemos fazer deste ponto em diante tentando olhar o que já fizemos de positivo até então. É preciso deixar de lado aqueles sentimentos cruéis de cobrança interna exagerada ou mesmo aquela vontade irresistível de querer achar os responsáveis pelo nosso infortúnio. No lugar de nos apegarmos a estas armadilhas, que como redemoinhos nos puxam para baixo e não nos deixam enxergar um novo horizonte, é hora de olhar a metade do copo cheio.

O que já construímos? O que podemos aprender com uma situação de contrariedade, com as adversidades da vida? Muitas das adversidades nos ensinam a rever nossos padrões de comportamento e nossa forma de enxergar as pessoas e as situações da vida. Quando conseguimos fazer isso nos fortalecemos. Para isso, é preciso certa coragem para reconhecer erros e estar aberto a mudanças.

É comum uma adversidade a princípio parecer uma tragédia, como a perda do emprego ou do relacionamento amoroso. Passada a fase inicial de tristeza, que é perfeitamente normal e que todos sentimos, chega o momento de entrar em contato com nossa força interior, enxugar as lágrimas, sacudir a poeira e dar a volta por cima. O sol continua a brilhar dia após dia e não há mal que sempre dure. Mudanças e contratempos nos fazem ver novos horizontes, mas é preciso levantar a cabeça e olhar. Quando estamos muito ocupados em nos sentir infelizes não há como enxergar nada novo, nenhuma oportunidade à frente.

Temos a falsa ilusão de que para os outros tudo é mais fácil, que para aquele ou aquela pessoa tudo dá certo. Não é verdade. Todos nós sofremos, todos passamos por dificuldades. A forma como enfrentamos é que é faz a diferença. Não nos faltam exemplos do dia-a-dia de pessoas que conseguiram de uma perda ou uma dificuldade uma forma criativa de virar a mesa. No entanto, ninguém dá a volta por cima sem antes passar por inúmeras dúvidas e inseguranças que um recomeço traz. Mudanças podem trazer algum sofrimento e é preciso força de vontade para vencer esta fase inicial. Nada cai do céu, é preciso ir buscar.

Se você hoje se encontra sem rumo certo, pergunte-se no que poderia ser útil, onde você poderia usar suas habilidades ou encontrar um grupo com o qual tenha afinidades. Existem muitas possibilidades de ser feliz quando nos dispomos a enxergar a amplitude de um novo horizonte. Se você se considera sem rumo ou objetivos no momento, consulte seu coração, erga a cabeça e boa sorte, não esquecendo que é mais importante como caminhamos na nossa estrada e não exatamente o ponto alto onde frequentemente queremos chegar.



10 comentários:

Anônimo disse...

Minha querida amiga,

O seu texto vai diretamente ao meu coração e como preciso aprender...

Quando estamos no olho do furacão tudo parece sem saída mesmo, ainda mais quando nos sentimos sozinhos.

Sorte minha ter você como amiga que que num momento tão difícil soube me ouvir me ajudando a superar.

Te agradeço por tudo, tá Rosana?

E sim, devemos recomeçar sempre, mesmo que juntando os cacos pelo caminho.

Um dia nos sentiremos inteiros novamente.

Mil beijos!!!!
.
.
Patty

Luma disse...

Rosana, estamos em sincronia! Como se o seu texto fosse uma continuação do meu! (rs*) É que as vezes se torna difícil olhar para o espelho e enxergar os caminhos. Beijus

Marta disse...

Querida Rosana
Gostei muito deste seu texto. E achei linda a proposta de seu blog, parabéns!
Estou numa fase bem distinta daquela descrita no blog. Ontem, faleceu a avó de meu marido, aquela velhinha que mencionei no post, que recebeu uma serenata. Os últimos dias foram muito difíceis, mas esta é uma dor que precisa ser vivida. Doeu e está doendo muito, mas ela me deixou um monte de lições das quais não vou me esquecer.
Beijos, querida!

Natália Esmeraldo Salomé disse...

muito bonito seu texto, parabéns

Cristiane disse...

Rosana querida,

É bom demais tê-la de volta e em blog novo! Amei o novo espaço, seu blog está lindo, doce, sensível, e se parece muito mesmo com você!

Esse seu texto veio a calhar em uma situação que vivo no momento, ele está divino...
Bom, vou te escrever sim, será um prazer!
Não sei se você tem msn, se tiver, me adiciona aí:
cpenaforte@hotmail.com
Eu não entro com tanta frequência, por falta de tempo, mas podemos nos esbarrar por lá, rs...

Me aguarde tá?
Obrigada pela visita, beijo carinhoso, Cris

Betty disse...

Rosana

Traçar um rumo é uma das grandes ilusões humanas. Caminhar é tudo que a vida nos oferece, o caminho vai se fazendo a cada passo do caminhante.
Não há caminho.

Estou com saudades.
Beijinho

Patty disse...

Amiga,
Saudades de você!

Beijos e bom final de semana!

Pedro Ivo Martins disse...

Depois de ler esse texto, lembrei uma frase de Guimarães Rosa: "Infelicidade é uma questão de prefixo". Abraço.

Cristiane disse...

Rosana querida,
Vim te deixar um beijo, e dizer que estou com saudades!
Não me esqueci do seu e-mail, ao contrário, anseio por escrevê-lo, e quando ele chegar a você, você entenderá o porque da minha demora, rs...está tudo bem, é somente correria e falta de tempo mesmo...
Gosto muito de você viu?
Ah, acabei de postar, e pelo que vi ali ao lado, você vai gostar...
Beijo carinhoso, Cris

Marta disse...

Rosana, cadê você?
Estou com saudades.
Tá tudo bem por aí?
Como estão as filhotas?
Beijos